Categoria: Atraso na Linguagem (Página 1 de 2)

Distúrbios De Linguagem São Dificuldades De Aprendizagem

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

boy-holding-big-pencil

Compartilho no blog Fonológica algumas questões do ótimo artigo que li recentemente “Language Disorders Are Learning Disabilities: challenges on the divergent and diverse paths to language learning disability” escrito em 2014 por Sun e Wallach.

O artigo trata da complexa natureza dos distúrbios de linguagem na primeira infância, a sua sobreposição e a sua continuidade com as dificuldades de aprendizagem na idade escolar e os diversos rótulos diagnósticos que podem acompanhar as crianças com dificuldades de linguagem e de aprendizagem. Os autores propõem que a maior parte dos distúrbios de aprendizagem são dificuldades de linguagem que mudaram ao longo do tempo.

O artigo cita como exemplo o caso de Tim, de 2,5 anos com atraso de linguagem. Tim tem dificuldades tanto na área de compreensão, como de expressão, além de questões de atenção. Ele recebeu o diagnóstico de Dificuldade específica de linguagem (DEL) e continuou a receber atendimento fonoaudiológico quando entrou na escola. No 2º ano, Tim já falava e compreendia a linguagem do dia a dia, mas apresentava dificuldades escolares, incluindo as habilidades em leitura e escrita e em expressar suas ideias oralmente e por escrito. A mãe de Tim questionou a possibilidade da criança apresentar um outro problema além da questão da linguagem.

 

Esta dúvida da mãe de Tim leva à clássica questão levantada há décadas por pesquisadores: “Estamos falando de um grupo de crianças que são chamadas por diferentes nomes, mas que na realidade evidenciam um continuum de dificuldades na aprendizagem da linguagem?” Esta foi a resposta dada à mãe de Tim – não há uma nova dificuldade, mas uma diferente manifestação da dificuldade de linguagem de Tim. As diferentes dificuldades vão surgindo à medida que Tim enfrenta novos desafios, já que as demandas de linguagem aumentam à medida que o grau de escolaridade avança.

Como o caso de Tim sugere, crianças e adolescentes com desafios na área de linguagem podem ser identificados com diferentes diagnósticos, em diferentes momentos da vida (da pré-escola ao ensino médio e à vida adulta).

O propósito do artigo é desvendar equívocos sobre os caminhos paralelos e divergentes que crianças com dificuldades de linguagem podem assumir através dos anos, às vezes mudando de diagnóstico conforme elas encontram novos desafios na linguagem oral e escrita.

 

Três argumentos são apresentados sobre a relação entre dificuldades de linguagem e distúrbios de aprendizagem:

1. Os rótulos diagnósticos podem mudar em diferentes contextos por diferentes profissionais – de dificuldades de linguagem para distúrbios de aprendizagem – quando as crianças entram na escola e começam a apresentar dificuldades acadêmicas. Mas, as suas necessidades linguísticas persistem, não importando como sejam chamadas. A maioria das crianças recém identificadas como tendo distúrbios de aprendizagem apresentam necessidades em linguagem e alfabetização pré-existentes que não foram identificadas e que devem ser tratadas.

2. Distúrbios de linguagem nos anos pré-escolares tendem a seguir a criança através do tempo, manifestando-se de forma diferente baseados nas habilidades inerentes ao indivíduo, nos contextos de aprendizagem da linguagem e nas tarefas de aprendizagem. Fonoaudiólogos devem estar cientes dos alicerces linguísticos que as tarefas de aprendizagem demandam e a natureza e período em que há uma “aparente recuperação”.

3. A linguagem está na base de todo o currículo escolar, envolvendo todas as matérias e não somente “Línguas”. A implicação disso é que as escolhas de intervenção devem ser baseadas nas dificuldades que os alunos apresentam no contexto curricular, independentemente de seus rótulos diagnósticos.


Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Categoria: Atraso na Linguagem (Página 1 de 2)

O que você precisa saber sobre Terapia Fonoaudiológica

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte
kid-doing-school-work
     Assim como o Fonoaudiólogo auxilia pacientes com os mais diversos transtornos de Fala, trata também de outros tipos de dificuldades

     Se o seu filho tem dificuldade em ler e escrever, a terapia fonoaudiológica pode não parecer a resposta óbvia. Muitas pessoas pensam que a Fonoaudiologia se destina apenas às crianças que não conseguem pronunciar certos sons, que gaguejam ou que tem a “língua presa”.

     O Fonoaudiólogo realmente trabalha com estas questões. No entanto, ele também trata de muitos outros tipos de problemas, em áreas como: Linguagem Oral, Linguagem  Escrita e Audição.

     Como funciona a Terapia Fonoaudiológica

     Através de uma Avaliação, o Fonoaudiólogo diagnostica a dificuldade que o paciente apresenta e, assim, consegue determinar qual o tratamento mais adequado para o caso.

     O Fonoaudiólogo é qualificado para tratar as seguintes dificuldades:

  • Fala: Não falar claramente e/ou não conseguir articular alguns sons da fala.
  • Fluência: Dificuldades com a fluência na fala (interrupções e bloqueios), como a gagueira.
  • Voz: Alterações na qualidade da voz (timbre, intensidade, qualidade).
  • Funções Orofaciais: Dificuldades na mastigação, na deglutição, na respiração e na motricidade orofacial.
  • Linguagem Oral: Atrasos no desenvolvimento e dificuldades em compreender e/ou em se expressar oralmente.
  • Linguagem Escrita: Alterações na expressão e/ou na recepção da Linguagem Escrita (Dislexia e Dificuldades Escolares em leitura e/ou escrita).
  • Audição: Alterações do Processamento Auditivo e Deficiência Auditiva.

     Benefícios da Terapia Fonoaudiológica

     A terapia Fonoaudiológica pode ajudar as crianças a falarem mais claramente. Isto as faz se sentirem mais confiantes e menos frustradas ao conversarem com as outras pessoas. Crianças que apresentam dificuldades de linguagem podem se beneficiar socialmente, emocionalmente e academicamente da Terapia Fonoaudiológica.

     Para estudantes com problemas de leitura, como a Dislexia, a terapia fonoaudiológica pode ajudá-los a perceber e a discriminar os sons das palavras, por exemplo: a palavra bola pode ser isolada nos fonemas / b /, / o /, / l / e / a /. Esta habilidade pode ajudar a desenvolver a compreensão da leitura e encorajar o paciente a ter prazer em ler.

     A terapia Fonoaudiológica é especialmente benéfica quando iniciada precocemente. Um estudo verificou que 70% das crianças na Educação Infantil com dificuldades de fala que passaram por tratamento fonoaudiológico mostraram desenvolvimento em suas habilidades de Linguagem.

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Imagem: My Cute Graphics

Categoria: Atraso na Linguagem (Página 1 de 2)

Gênero e atraso de linguagem

Gênero, genes desempenham um importante papel no atraso do desenvolvimento da linguagem

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte
www.fonologica.com.br/quem_somos.html

    

     Meninos apresentam maior risco para um atraso no desenvolvimento da linguagem que as meninas, de acordo com um novo estudo utilizando dados do Grupo de Estudos Norueguês da Mãe e da Criança. Os pesquisadores também descobriram que as dificuldades de leitura e escrita na família aumentam esse risco.
“Nós mostramos pela primeira vez que dificuldades de leitura e escrita na família pode ser a principal razão pela qual uma criança tem um atraso na fala que se inicia entre os três e cinco anos de idade,” diz Eivind Ystrøm, pesquisador sênior do Instituto Norueguês de Saúde Pública e supervisor de Imac Maria Zambrana, que conduziu a pesquisa.
Os pesquisadores usaram dados de questionários respondidos pelas mães que estão participando do Grupo de Estudos Norueguês da Mãe e da Criança (MOBA). O estudo incluiu mais de 10.000 crianças a partir de 17 semanas de gravidez até os cinco anos de idade.
“MOBA é um grande estudo com uma secção transversal normal da população. Ele nos dá uma oportunidade única de examinar as mudanças ao longo do tempo, o escopo e quaisquer fatores de risco para o desenvolvimento do atraso de linguagem”, diz Ystrøm.

Principalmente meninos

     Os pesquisadores classificaram as dificuldades de linguagem aos três e aos cinco anos de idade em três grupos: atraso persistente no desenvolvimento da linguagem (presente em ambas as idades), atraso transitório no desenvolvimento da linguagem (presente apenas aos três anos) e atraso no desenvolvimento da linguagem identificado pela primeira vez aos cinco anos.
Os meninos são a maioria dos grupos com dificuldades persistentes e transitórias de linguagem.
Ystrøm explica que os meninos têm biologicamente maior risco de transtornos do desenvolvimento no útero que as meninas. Cientistas britânicos mediram o hormônio sexual masculino (testosterona) no líquido amniótico e descobriram que os níveis estavam relacionados tanto com o desenvolvimento de autismo como o de transtornos de linguagem. Ystrøm aponta que meninos têm geralmente o desenvolvimento da linguagem um pouco mais tardio que as meninas, mas que a maioria as alcança durante o primeiro ano. Assim, muitos meninos poderiam estar em risco de um comprometimento persistente da linguagem e dificuldades transitórias de linguagem que desaparecem antes da idade escolar.
Os pesquisadores descobriram que o sexo era irrelevante para o terceiro grupo, que têm dificuldades de linguagem que começam em algum momento entre três e cinco anos de idade.

Fatores hereditários

     Nós temos um bom conhecimento sobre o desenvolvimento normal da linguagem em crianças. Muitos genes são importantes para o desenvolvimento da linguagem e as pesquisas sugerem que diferentes genes estão envolvidos em diferentes tipos de dificuldades de linguagem.
“Dificuldades de Leitura e escrita na família são os fatores de risco predominantes para as dificuldades de linguagem de início tardio. Nós não vemos os problemas de linguagem na criança entre os 18 meses e os três anos de idade. Eles estão latentes”, diz Ystrøm.
Os pesquisadores acreditam que tanto fatores genéticos como fatores ambientais específicos podem levar a atrasos no desenvolvimento da linguagem entre os três aos cinco anos de idade.

O que podemos fazer?

     Ystrøm acredita que as crianças com atraso no desenvolvimento da linguagem devem ser identificadas o mais cedo possível. Os pais, profissionais da saúde e funcionários de creches devem estar cientes do desenvolvimento da linguagem das crianças e criar um ambiente propício à linguagem. Em particular, eles devem estar atento às crianças que apresentam um atraso persiste na linguagem, ou que tiveram um desenvolvimento normal de linguagem até os três anos e então inesperadamente começam a ter dificuldades.
“Os profissionais e cuidadores devem estar atentos. É difícil de detectar dificuldades de linguagem quando a linguagem se torna mais complexa em crianças mais velhas. Eles devem ser treinados para que se sintam confiantes em como identificar dificuldades de linguagem e como incentivar a linguagem de uma criança. Precisamos de mais peaquisas sobre as necessidades das crianças com diferentes trajetórias “, diz Ystrøm.
Os pais que estão preocupados com o desenvolvimento da linguagem da criança devem consultar seu médico. Eles também devem abordar a questão no momento dos check-ups regulares no posto de saúde quando a criança tem entre dois e quatro anos de idade.

Mais pesquisas

     Além de pesquisadores do Instituto Norueguês de Saúde Pública, pesquisadores da Universidade de Oslo e da Universidade de Melbourne, na Austrália, participaram deste estudo. O trabalho é financiado pela Fundação extra para a Saúde e Reabilitação.
“Esperamos continuar a pesquisa e olhar especificamente a relação entre gênero e linguagem. Precisamos de mais pesquisas sobre as necessidades das crianças com vários tipos de atraso de linguagem”, diz Eivind Ystrøm.

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Referências:
Traduzido do site – Norwegian Institute of Public Health. “Gender, genes play important role in delayed language development.” ScienceDaily. ScienceDaily, 17 February 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/02/140217085246.htm>.

Imagem: My Cute Graphics

Categoria: Atraso na Linguagem (Página 1 de 2)

Transtornos da Linguagem Oral

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

Transtornos da Linguagem Oral

A linguagem é um sistema simbólico através do qual organizamos o mundo, expressamos nossos pensamentos e participamos da vida em sociedade.

O desenvolvimento da linguagem e da fala depende de diversos fatores: orgânicos, cognitivos, emocionais e ambientais.

Os transtornos no desenvolvimento da linguagem e da fala são atrasos ou desvios do padrão usual de aquisição e representam uma das alterações mais comuns observadas em crianças (estima-se que afetem de 5 a 10% desta população).

O atraso na aquisição da linguagem pode interferir de maneira significativa na vida da criança, limitando seu desenvolvimento social e escolar. A identificação precoce e a intervenção adequada são o caminho mais efetivo para desenvolver a linguagem e minimizar o impacto das alterações apresentadas.

Retardo de Linguagem:

No Retardo de Linguagem a capacidade de a criança utilizar a linguagem oral para se comunicar está prejudicada e se encontra em um nível inferior ao esperado para a sua idade.

Algumas características observadas:

  • Aparição tardia das primeiras palavras (após os 18 meses);
  • Emprego de 2 palavras juntas (após os 2 anos);
  • Uso de frases muito simples;
  • Vocabulário reduzido;
  • Uso de gestos e de expressão facial para compensar as dificuldades de se expressar verbalmente;
  • Dificuldade na produção dos sons da fala (fonemas);
  • Compreensão verbal melhor que a expressão verbal.

O Retardo de Linguagem pode ser leve, moderado ou severo, dependendo do grau de comprometimento da linguagem oral.

Níveis da Linguagem Oral que podem estar alterados:

· Fonológico: como os sons são produzidos pelo falante.

Exemplo: omite ou substitui sons.

· Morfossintático: como organiza as palavras e as relaciona nas frases.

Exemplo: estrutura as frases de maneira muito simples, problemas em flexão e concordância verbal e nominal.

· Semântico: como dá o significado às palavras.

Exemplo: vocabulário pobre e restrito.

· Pragmático: como usa a linguagem tendo em conta os interlocutores e o contexto.

Exemplo: pouca iniciativa e escassas formas sociais de iniciar uma conversação.

Diagnóstico e Terapia:

O diagnóstico precoce é muito importante para haja uma intervenção terapêutica sem demora.

O fonoaudiólogo irá acompanhar a criança e sua família, intervindo de maneira eficaz para ampliar a linguagem oral da criança e oferecendo modelos adequados de interação comunicativa entre a criança e a sua família.

Prognóstico:

Quando recebem pronto acompanhamento fonoaudiológico e apoio familiar e escolar, as crianças com Retardo de Linguagem costumam ter um bom prognóstico e apresentam uma evolução significativa de seu quadro.

Distúrbios na linguagem falada transferido para a escrita:

Vale ressaltar que estudos recentes mostram que as habilidades verbais influenciam no desenvolvimento da alfabetização. Segundo M. Snowling (2004), a linguagem escrita é claramente dependente das habilidades da linguagem falada – “Crianças com dificuldades de fala e de linguagem têm um embasamento defeituoso para basear o desenvolvimento da sua alfabetização”.

As dificuldades na linguagem escrita são parte do contínuo das desordens da linguagem, o que mostra o caráter evolutivo das dificuldades de linguagem. Neste sentido, as dificuldades na linguagem escrita podem ser uma extensão do déficit na linguagem falada.

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

imagem: http://etc.usf.edu/clipart/

Categoria: Atraso na Linguagem (Página 1 de 2)

Dificuldades de fala

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

Devido a vários pedidos de leitores do Blog, retomaremos neste mês o tema da criança que não fala ou que fala muito pouco.

– Por que uma criança não fala?

Uma grande parte das crianças que apresentam atrasos de fala possui inteligência normal, boa audição, órgãos fonoarticulatórios íntegros e compreende o que lhe é falado.

Nestes casos, é provável que o ambiente não ofereça estímulos e desafios suficientes para que estas crianças desenvolvam a comunicação verbal.

Muitas vezes a criança não sente uma real necessidade de falar, já que seus familiares (irmãos, pais ou avós) falam por ela e atendem seus desejos mediante os gestos que ela produz.

Para este tipo de caso, o fonoaudiólogo proporá uma terapia com o objetivo de estimular e desenvolver a fala da criança, orientando seus familiares sobre como lidar com esta questão em seu cotidiano. Caso a criança ainda não frequente a escola, o terapeuta orientará a família a procurar uma escola de educação infantil adequada às suas necessidades.

– E quais são os outros motivos para uma criança não falar?

Em outros casos, os atrasos na comunicação (a habilidade de compreender e de usar a linguagem oral) podem sinalizar um problema mais sério: a manifestação de um distúrbio mais severo de linguagem, um atraso global do desenvolvimento, uma perda auditiva, uma dificuldade emocional importante.

Um fonoaudiólogo, com experiência no atendimento de problemas de linguagem em crianças pequenas, poderá realizar o diagnóstico e dar o atendimento e a orientação adequada que estes casos requerem.

(Veja também: a página “Desenvolvimento tardio da fala e da linguagem” e a postagem de março de 2009 “Atividades para estimular a fala e a linguagem“)

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

imagem: http://etc.usf.edu/clipart/

Página 0 de 2