Arquivo da ‘Escrita’ Categoria

Postado por Fonológica em 18 de fevereiro

Disortografia I – troca de letras na escrita

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

Na disortografia, o processo de escrita das palavras foge do padrão ortográfico estabelecido. Neste sentido, a escrita com alterações ortográficas apresenta substituições, omissões e inversões de letras, com comprometimento da correspondência fonema-grafema (som-letra).

Algumas dificuldades ortográficas fazem parte da evolução normal do processo de apropriação da escrita como meio de comunicação. Neste sentido, os “erros” , ou seja, as disortografias, são vistas sob uma perspectiva evolutiva. Na medida em que as crianças praticam a escrita, vão tendo oportunidade de aprender e reter as regras ortográficas de nossa língua.

No entanto, substituições de grafemas por dificuldades de natureza auditiva (ex.: capelo/cabelo, guarta/guarda, amico/amigo, máxica/mágica, etc), não são esperados em nenhum grau de escolaridade, pois já denotam um desvio no processo da escrita e devem ser encaminhados a um profissional da área para um adequado acompanhamento.

Crianças com alterações mais significativas necessitam de um acompanhamento com o fonoaudiólogo, que poderá identificar com maior precisão o que está por trás desta dificuldade de leitura e escrita (perda auditiva leve, distúrbios de fala, desvios de atenção, alterações psicomotoras, imaturidade, etc). O encaminhamento correto por parte da escola abrevia o diagnóstico e, consequentemente, o processo de reabilitação.

Preparamos duas cartelas que auxiliam a terapia fonoaudiológica para as trocas de natureza auditiva:

Imagens: Icon made by Freepik from www.flaticon.com
Icons made by Freepik from www.flaticon.com is licensed by CC 3.0 BY

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Confira também:

Postado por Fonológica em 22 de outubro

Autoria do jogo: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

Jogo “Olho Vivo” para terapia

jogo-olho-vivo

Olá!

Preparamos uma nova atividade para a terapia fonoaudiológica, o jogo “Olho Vivo”. O jogo oferece a oportunidade de trabalhar com a linguagem oral e escrita, consciência fonológica, habilidades auditivas e visuais.

O jogo apresenta figuras com fonemas iniciais que se distinguem pelo traço de sonoridade. Assim, o conjunto das figuras possui todos os pares de fonemas oclusivos e fricativos, surdos e sonoros: /p/ x /b/; /t/ x //d/; /k/ x /g/; /f/ x /v/; /s/ x /z/ e /ch/ x /j/.

A atividade também pode ser usada com os pacientes que apresentam trocas ortográficas por traço de sonoridade na escrita. Possui, abaixo de cada figura, a palavra que a representa.

A inspiração veio do site francês Lire Écrire Compter que mostra vários jogos educativos nas áreas de leitura, escrita e matemática. Pensamos que seria viável adaptar um deles e fazer um interessante jogo para a prática fonoaudiológica.

Bom jogo!

Link abaixo para baixar o jogo (em PDF)

jogo-olho-vivo-fonemas

 

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

 

 

 

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Confira também:

Postado por Fonológica em 25 de novembro

Autoria da atividade: Lilian Kotujansky Forte
www.fonologica.com.br/quem_somos.html

Atividade de ortografia

Nas disortografias (trocas de letras na escrita), é importante apresentar à criança atividades que a ajudem a distinguir as letras que apresenta dificuldade.

Apresentamos abaixo uma atividade que trabalha com as substituições entre os grafemas (letras) P x B (feita com o software Click and Create).

Este tipo de disortografia, entre P e B, se deve às dificuldades da criança com a percepção auditiva de sons muito parecidos.

A relação entre fonema (som) x grafema (letra) não se encontra bem estabelecida, devido ao traço de sonoridade ser parecido entre os dois sons.

Nesta atividade cada figura apresentada começa com a letra B ou P. A criança escreverá o nome de cada figura apresentada com o objetivo de treinar a ortografia.

Treino_P_B

 

 

Abrir em arquivo PDF   Treino_P_B16-pics

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Salvar

Confira também:

Postado por Fonológica em 8 de maio

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

a aventura das palavras

“A aventura das palavras” é um novo aplicativo educativo em português, que já se encontra disponível para Android.

Há também uma versão web, possível de ser usada online.

Segundo a equipe da Bubble Boy, o aplicativo ajuda a desenvolver “de forma divertida as competências ligadas à leitura como a correspondência grafofonética (correspondência letra-som), fusão fonética e fusão silábica, trabalhando vários tipos de sílabas (das mais fáceis às mais difíceis) e os casos especiais da Língua Portuguesa”.

O aplicativo apresenta um jogo de escrita de palavras, com três níveis de dificuldade, e a possibilidade de acrescentar mais letras para tornar a atividade ainda mais desafiadora. 

Possui um visual agradável e amigável, com os personagens Jako e Drako.

Uma figura é apresentada e as letras que formam a palavra desta figura se encontram embaralhadas. A criança deverá escrever a palavra, colocando as letras na ordem exata. Depois, poderá verificar se acertou ou não. Caso não tenha conseguido formar a palavra, poderá retirar as letras e recolocá-las novamente. E assim a atividade continua, apresentando novas figuras e desafiando a criança a escrever as palavras que as representam.

É um aplicativo que pode ser usado em vários contextos, inclusive em terapia para crianças com Dificuldades de Aprendizagem.

Esperamos que Tiago Epifânio e João Caleia, da Bubble Boy, continuem a nos oferecer aplicativos educativos interessantes e eficientes como “A aventura das palavras”.

Avaliação: ★ ★ ★ ★ Bom

Referências:

Site do aplicativo da Bubble Boy: http://bubbleboygames.com/our-games/

Google play store: play.google.com/store/apps/details?id=com.bubbleboy

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

 

 

Confira também:

Postado por Fonológica em 1 de abril

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

boy-holding-big-pencil

Compartilho no blog Fonológica algumas questões do ótimo artigo que li recentemente “Language Disorders Are Learning Disabilities: challenges on the divergent and diverse paths to language learning disability” escrito em 2014 por Sun e Wallach.

O artigo trata da complexa natureza dos distúrbios de linguagem na primeira infância, a sua sobreposição e a sua continuidade com as dificuldades de aprendizagem na idade escolar e os diversos rótulos diagnósticos que podem acompanhar as crianças com dificuldades de linguagem e de aprendizagem. Os autores propõem que a maior parte dos distúrbios de aprendizagem são dificuldades de linguagem que mudaram ao longo do tempo.

O artigo cita como exemplo o caso de Tim, de 2,5 anos com atraso de linguagem. Tim tem dificuldades tanto na área de compreensão, como de expressão, além de questões de atenção. Ele recebeu o diagnóstico de Dificuldade específica de linguagem (DEL) e continuou a receber atendimento fonoaudiológico quando entrou na escola. No 2º ano, Tim já falava e compreendia a linguagem do dia a dia, mas apresentava dificuldades escolares, incluindo as habilidades em leitura e escrita e em expressar suas ideias oralmente e por escrito. A mãe de Tim questionou a possibilidade da criança apresentar um outro problema além da questão da linguagem.

 

Esta dúvida da mãe de Tim leva à clássica questão levantada há décadas por pesquisadores: “Estamos falando de um grupo de crianças que são chamadas por diferentes nomes, mas que na realidade evidenciam um continuum de dificuldades na aprendizagem da linguagem?” Esta foi a resposta dada à mãe de Tim – não há uma nova dificuldade, mas uma diferente manifestação da dificuldade de linguagem de Tim. As diferentes dificuldades vão surgindo à medida que Tim enfrenta novos desafios, já que as demandas de linguagem aumentam à medida que o grau de escolaridade avança.

Como o caso de Tim sugere, crianças e adolescentes com desafios na área de linguagem podem ser identificados com diferentes diagnósticos, em diferentes momentos da vida (da pré-escola ao ensino médio e à vida adulta).

O propósito do artigo é desvendar equívocos sobre os caminhos paralelos e divergentes que crianças com dificuldades de linguagem podem assumir através dos anos, às vezes mudando de diagnóstico conforme elas encontram novos desafios na linguagem oral e escrita.

 

Três argumentos são apresentados sobre a relação entre dificuldades de linguagem e distúrbios de aprendizagem:

1. Os rótulos diagnósticos podem mudar em diferentes contextos por diferentes profissionais – de dificuldades de linguagem para distúrbios de aprendizagem – quando as crianças entram na escola e começam a apresentar dificuldades acadêmicas. Mas, as suas necessidades linguísticas persistem, não importando como sejam chamadas. A maioria das crianças recém identificadas como tendo distúrbios de aprendizagem apresentam necessidades em linguagem e alfabetização pré-existentes que não foram identificadas e que devem ser tratadas.

2. Distúrbios de linguagem nos anos pré-escolares tendem a seguir a criança através do tempo, manifestando-se de forma diferente baseados nas habilidades inerentes ao indivíduo, nos contextos de aprendizagem da linguagem e nas tarefas de aprendizagem. Fonoaudiólogos devem estar cientes dos alicerces linguísticos que as tarefas de aprendizagem demandam e a natureza e período em que há uma “aparente recuperação”.

3. A linguagem está na base de todo o currículo escolar, envolvendo todas as matérias e não somente “Línguas”. A implicação disso é que as escolhas de intervenção devem ser baseadas nas dificuldades que os alunos apresentam no contexto curricular, independentemente de seus rótulos diagnósticos.


Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Confira também:

Postado por Fonológica em 28 de janeiro

Predictable App Português – comunicação ao seu alcance

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte e Cecília Schapiro Bursztyn

     Poder se comunicar, esse é um dos maiores desejos de quem, porventura, perdeu ou não desenvolveu completamente essa habilidade.

     Felizmente, a área de Tecnologia Assistiva tem desenvolvido diferentes alternativas para auxiliar na comunicação de indivíduos impossibilitados de se comunicar através da fala.

     À área de desenvolvimento de aplicativos em português para Comunicação Ampliada e Alternativa (CAA) veio se somar o excelente aplicativo Predictable, que já existia em outras línguas.

     O premiado aplicativo Predictable, da empresa inglesa Therapy Box, é um completo e poderoso app de comunicação assistiva de saída de voz, projetado para atender usuários com dificuldades de comunicação, devido aos mais diversos transtornos neurológicos e físicos.

     Entre os diferenciais do Predictable estão a facilidade em aprender a usá-lo e a rapidez em se comunicar, já que o aplicativo tanto consegue prever palavras, como usar frases previamente armazenadas em um banco de dados.

     Predictable é um aplicativo idealizado para iPad, iPhone e iPod Touch.

app

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Recursos e configurações do Predictable:

  • Acesso: três modos de acesso – através do toque direto (modo convencional); por toque em qualquer lugar da tela; e por interruptor de acesso (o primeiro aplicativo para iPad acessível por interruptor);
  • Saída de voz: seleção entre algumas opções de voz, com ajustes de tom, ritmo e opções de fala (que podem seu úteis dependendo da situação);
  • Predição de palavras: seu recurso mais poderoso, que facilita e agiliza sobremaneira a comunicação – um sistema de autoaprendizagem, que consegue prever palavras à medida que as letras vão sendo digitadas na janela de mensagem (exibe até seis palavras previstas). Além de gerenciar erros de ortografia, consegue aprender novas palavras inseridas pelo usuário e o seu contexto de uso.  
  • Painel de escrita: no modo “toque direto” é possível optar pelo uso da escrita manual.
  • Frases: excelente – as frases podem ser previamente armazenadas em diversas categorias (ex.: ajuda, minha família, sentimentos, coisas que eu gosto, etc.) que podem ser editadas, ampliadas, associadas à imagens (tirar foto, galeria e biblioteca do Predictable), áudio (possibilidade de gravar voz) e multimídia. É possível, ainda, copiar e colar textos de dentro para fora do aplicativo e vice-versa.
  • Através da tecla de acesso “Usar”, o app pode ser integrado ao:
  1. E-mail: quando conectado à Internet, as mensagens criadas com o Predictable podem ser enviadas como e-mail diretamente do aplicativo;
  2. Integração às mídias sociais Facebook e Twitter: quando conectado à Internet, é possível postar no Facebook e no Twitter;
  3. Skype: recurso disponível para iPad e iPad Mini, o usuário tem a possibilidade de usar o Skype, via Predictable;
  4. Feeds de Notícias: navegar pelas últimas notícias dentro do Predictable.
  • Outros acessos através da tecla “Usar”:
  1. Histórico: acesso rápido às palavras ou frases mais recentes;
  2. iMessage e Imprimir.

     Apesar de ter sido desenvolvido para a comunicação assistiva, na terapia fonoaudiológica o aplicativo pode ser usado criativamente em outras necessidades terapêuticas: suporte a pacientes com Dislexia (detecta erros ortográficos e exibe a palavra correta na caixa de previsão de palavras), como apoio à Alfabetização, à Grafia e ao Desenvolvimento da Linguagem Oral (pode gravar a voz do paciente).

Avaliação: ★ ★ ★ ★ ★ Ótimo

Referências:

Site do Aplicativo Predictable: www.therapy-box.co.uk

Manual do usuário: http://www.therapy-box.co.uk/pa_portugues.aspx#DOWNLOADS

 

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Confira também:

Postado por Fonológica em 14 de fevereiro

Livro “APET – Análise da Produção Escrita de Textos”

Autoras: Lilian Kotujansky Forte, Marlene Lopes Scarpa e Regina Soga Kubota

Pulso Editorial

A avaliação do discurso escrito tem a função de verificar o nível de independência, domínio e eficácia do aprendente com a palavra escrita. Alguns instrumentos de avaliação encontrados na literatura estrangeira favorecem uma busca pelo autocontrole dos processos cognitivos (metacognição), associados à composição escrita.

A avaliação deve refletir dois critérios:

– critérios relacionados com o processo: consciência que o aprendente tem sobre as suas atividades mentais presentes na sua produção escrita;

– critérios relacionados com o produto: as características do texto (verificação das competências ortográfica, semântica-lexical, gramatical, textual e pragmática-discursiva).

Há, no entanto, poucas pesquisas brasileiras que investigam e avaliam a produção de textos, principalmente nas etapas de escolarização intermediárias.

No sentido de preencher esta lacuna, desenvolvemos este material para a avaliação do discurso escrito que abrange desde o 5• ano do Ensino Fundamental até o 3• ano do Ensino Médio.

Lançamento do Livro APET

 

Convite APET na Vila

Confira também:

Postado por Fonológica em 9 de novembro

Atividade de Discriminação Auditiva

Traço de sonoridade /T/ x /D/

 

Autoria da atividade: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

Captura de Tela 2013-11-09 às 16.28.37

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagens: Openclipart

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Confira também:

Postado por Fonológica em 20 de outubro

Atividades de Consciência Fonológica

 

ALITERAÇÃO

Autoria da atividade: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

 

Captura de Tela 2013-10-20 às 22.00.31

Mais informações sobre Consciência Fonológica AQUI

Imagens: Openclipart

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Confira também:

Postado por Fonológica em 7 de julho

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

Nosso pensamento não opera de forma linear e sim como uma rede de imagens e de associações de ideias. A maneira tradicional de se fazer anotações, escrever e estudar, por sua própria natureza e estrutura, não favorece a criatividade e o fluxo de ideias.

Os mapas mentais são ferramentas gráficas que funcionam de forma análoga a nossa mente – o pensamento irradiante. A partir de uma ideia principal vão surgindo, irradiando e ramificando, outros temas, conceitos ou ideias secundárias.

Neste sentido, os mapas mentais proporcionam:

. Visualizar de maneira global cenários complexos;

. Fazer anotações;

. Esboçar um projeto;

. Expressar ideias complexas e difíceis de escrever;

. Ajudar na resolução de problemas e na tomada de decisões;

. Preparar uma apresentação em público;

. Estimular a memória devido a facilidade de consultar e de lembrar;

. Auxiliar nos estudos e na compreensão de textos;

. Gerar ideias para produções de textos;

. Inovar e modificar nossa maneira de ver e de pensar sobre as coisas;

. Agrupar grandes quantidades de informações em um esquema simples.

Como começar?

Ferramentas necessárias: uma folha de papel, lápis ou canetas coloridas e… um pouco de imaginação!

Coloque a ideia principal no centro da folha através de uma imagem e de uma palavra-chave.

Partindo desta ideia principal, desenhe ramos de cores diferentes com as palavras e as ideias mais importantes.

Faça linhas curvas e mais finas à medida que for se afastando do centro.

Deixo aqui um vídeo de Marco Carvalho sobre o assunto. Afinal uma imagem vale mais do que mil palavras!

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Referências:

Curso básico de mapas mentales em: www.orientacionandujar.es/wp-content/uploads/2013/07/curso-básico-de-mapas-mentales.pdf

Vídeo em: www.youtube.com/watch?v=uCR6T1aGiK4

 

Confira também: