Postado por Fonológica em 25 de julho

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

girl-standing-behind-stack-of-big-books

O que faz de alguém um bom leitor?

Primeiro, é preciso saber como ler as palavras em uma página e entendê-las. Mas há um nível superior para a compreensão da leitura: unir as palavras ao longo do tempo, mantendo sua ordem e significado em sua memória, de modo que se possa entender frases, parágrafos e textos extensos.

Pesquisadores da Universidade de Northwestern estavam interessados ​​em explorar a atividade cerebral subjacente a esta etapa de integração de nível superior. Através da utilização de um EEG para medir ondas cerebrais, eles foram capazes de prever a compreensão da leitura, com quase 90 por cento de precisão com base nas diferenças de atividade cerebral entre os textos de história ordenadas e desordenadas.

Os participantes leram duas versões de um texto longo apresentado em um monitor de computador, uma palavra de cada vez. Uma versão era na ordem original da história, a outra versão foi em uma ordem embaralhada. Em cada caso, os participantes liam as palavras, a fim de realizar uma tarefa de encontrar palavras. No entanto, apenas na versão ordenada da história, elas foram também solicitados a compreender a história em preparação para um teste de compreensão.

Os pesquisadores descobriram que, para pessoas que leram cada palavra na versão ordenada da história e tentaram juntar as palavras para formar uma história, mas não compreenderam bem a história, a atividade cerebral não diferiu muito entre as duas versões do história. Bons leitores, por outro lado, deveriam mostrar atividade cerebral distintamente diferente quando estavam juntando com sucesso as palavras e lembrando a história ordenada versus quando as palavras foram embaralhadas.

“Nós usamos um algoritmo computacional chamado de random-forest para identificar a atividade neural que diferenciou os bons leitores dos maus leitores. Esta atividade foi focada em eletrodos de EEG em direção à parte frontal da cabeça”, disse Julia Mossbridge, principal autora do estudo e pesquisadora associada em psicologia na Northwestern.

Pesquisas anteriores nesta área examinaram a atividade cerebral em torno da compreensão de frases e de textos curtos. Consequentemente, a descoberta mais significativa do estudo, disse Mossbridge, é que ela e seus colegas desenvolveram um método, utilizando textos mais longos, para chegar ao processo de integração na compreensão da leitura.

“Os indivíduos com déficits de compreensão de leitura, na ausência de outros déficits de leitura, provavelmente falham na habilidade de juntar as palavras e manter o significado integrado ao longo do tempo”, disse Mossbridge. “Esperamos que o nosso novo paradigma e o resultado que mostra a atividade neural que diferencia o bom leitor do mau leitor possa ser usado ​​para ajudar a diagnosticar e, eventualmente, tratar os distúrbios de leitura.”

Jornal de referência:

. Julia A. Mossbridge, Marcia Grabowecky, Ken A. Paller, Satoru Suzuki atividade Neural amarrado a leitura prevê diferenças individuais na compreensão de texto estendida Frontiers in Neuroscience Humano, 2013.; 7 DOI: 10,3389 / fnhum.2013.00655

Traduzido do site: Northwestern University. “Compreendendo a compreensão.” ScienceDaily. ScienceDaily, 6 de Novembro de 2013. <www.sciencedaily.com/releases/2013/11/131106101610.htm>. 

Imagem: My cute graphics

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Confira também:

Postado por Fonológica em 8 de maio

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

a aventura das palavras

“A aventura das palavras” é um novo aplicativo educativo em português, que já se encontra disponível para Android.

Há também uma versão web, possível de ser usada online.

Segundo a equipe da Bubble Boy, o aplicativo ajuda a desenvolver “de forma divertida as competências ligadas à leitura como a correspondência grafofonética (correspondência letra-som), fusão fonética e fusão silábica, trabalhando vários tipos de sílabas (das mais fáceis às mais difíceis) e os casos especiais da Língua Portuguesa”.

O aplicativo apresenta um jogo de escrita de palavras, com três níveis de dificuldade, e a possibilidade de acrescentar mais letras para tornar a atividade ainda mais desafiadora. 

Possui um visual agradável e amigável, com os personagens Jako e Drako.

Uma figura é apresentada e as letras que formam a palavra desta figura se encontram embaralhadas. A criança deverá escrever a palavra, colocando as letras na ordem exata. Depois, poderá verificar se acertou ou não. Caso não tenha conseguido formar a palavra, poderá retirar as letras e recolocá-las novamente. E assim a atividade continua, apresentando novas figuras e desafiando a criança a escrever as palavras que as representam.

É um aplicativo que pode ser usado em vários contextos, inclusive em terapia para crianças com Dificuldades de Aprendizagem.

Esperamos que Tiago Epifânio e João Caleia, da Bubble Boy, continuem a nos oferecer aplicativos educativos interessantes e eficientes como “A aventura das palavras”.

Avaliação: ★ ★ ★ ★ Bom

Referências:

Site do aplicativo da Bubble Boy: http://bubbleboygames.com/our-games/

Google play store: play.google.com/store/apps/details?id=com.bubbleboy

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

 

 

Confira também:

Postado por Fonológica em 3 de junho

Autoria do texto: Lilian Kotujansky Forte

www.fonologica.com.br/quem_somos.html

A Dislexia é uma condição de base neurológica, frequentemente hereditária, que resulta em transtornos nas habilidades de:

· leitura

· escrita

· soletração

Normalmente é acompanhada por dificuldades de:

· concentração

· memória de curto prazo

· organização

A Dislexia não é o resultado de rebaixamento intelectual, de alterações sensoriais, de pouca motivação para o aprendizado ou de problemas de escolarização.

Estudos que utilizam técnicas de neuroimagens do cérebro de crianças e de adultos disléxicos revelam uma baixa atividade cerebral no lobo temporal esquerdo em duas regiões que lidam com o gerenciamento da linguagem falada – informação fonológica – e com parte da rota visual. Estas observações dão suporte à teoria de um duplo déficit: fonológico e visual.

Assim sendo, o funcionamento cerebral da pessoa com dislexia se apresenta alterado: várias áreas-chave não são suficientemente ativadas aos níveis da análise visual (reconhecimento visual das palavras escritas) e do processamento fonológico (processo de conversão de grafemas – letras – em fonemas – sons das letras).

No leitor competente, as duas rotas – fonológica e visual – estão íntegras e podem ser disponibilizadas para a leitura, facilitando o reconhecimento preciso e rápido das palavras e a compreensão do conteúdo lido.

Incidência e gênero: a incidência da Dislexia na população em geral é estimada em 10%, com uma preponderância maior no sexo masculino.

Avaliação e diagnóstico: o diagnóstico da Dislexia é normalmente feito por uma equipe interdisciplinar (fonoaudiólogo, neurologista e psicólogo).

Intervenção: a terapia é voltada para as dificuldades e as necessidades específicas de cada indivíduo com Dislexia. Envolve, ainda, a orientação aos pais e à escola – importantes parceiros numa intervenção bem sucedida.

Atenção: Os documentos eletrônicos aqui publicados são propriedade intelectual de Lilian Kotujansky Forte e de Cecília Schapiro Bursztyn ou de outros contribuintes individuais para o site. Você pode se referir às informações e citações dos artigos deste site, desde que inclua as referências e o link que permitam ao leitor de seu artigo localizar a obra original aqui.

Confira também: